Robô Laura: conheça mais essa inovação na área da saúde

Robô Laura
6 minutos para ler

A tecnologia na área da saúde não para de avançar, propiciando técnicas e diagnósticos mais precisos, que beneficiam pacientes e profissionais. O Brasil é destaque nessas inovações, como é o caso da Laura, o primeiro robô cognitivo gerenciador de riscos utilizado em hospitais.

Laura é capaz de aprender, pois conta com uma tecnologia cognitiva. Assim, tem a missão de encontrar falhas operacionais e avisar as equipes responsáveis a tempo, o que ajuda a economizar recursos, otimizar processos e a salvar vidas.

Ficou curioso para entender como funciona essa tecnologia, que já é uma realidade em alguns hospitais de Curitiba? Então confira nosso post e conheça também a história de superação que existe por trás da criação desse robô!

Qual a história por trás do desenvolvimento do robô Laura?

O robô Laura é uma criação de Jacson Fressatto, um analista de sistemas brasileiro. Ele tomou para si a missão de reduzir os números de mortes por sepse nos hospitais brasileiros depois que sua filha Laura, que nasceu prematura, veio a óbito com 18 dias de vida no ano de 2010.

A infecção generalizada é um problema para os hospitais do país, pois representa cerca de 56% das mortes nessas instituições, segundo uma pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e do Instituto Latino Americano da Sepse (Ilas).

Fressatto queria entender quais foram os culpados pela morte da filha e, assim, atuou como voluntário em um hospital de Curitiba. A ideia era entender os protocolos e metodologias utilizados no atendimento ao paciente.

A experiência serviu para mostrar ao analista de sistemas que não há culpados, que existe tecnologia e que os profissionais de saúde trabalham com boa vontade. No entanto, ele sabia que tinha conhecimento para mudar essa história.

Assim, começou a trabalhar nesse projeto, criou a startup Laura Networks e desenvolveu o robô Laura com o objetivo de reduzir em 5% a taxa de mortes por infecções generalizadas em hospitais, salvando 12 mil vidas por ano.

O robô Laura já ganhou reconhecimento nacional e internacional, com premiações como o 1º lugar no III Prêmio Empreenda Saúde e como Campeã Brasileira da Challenge Cup, a maior competição de startups de impacto social do mundo.

Quais os objetivos dessa tecnologia?

O robô Laura funciona por meio de duas tecnologias: computação cognitiva e machine learning. Com isso, é um software que tem a capacidade de aprender. Por meio da inteligência artificial, aprende a identificar sintomas de doenças por meio de normas de protocolo internacionais e históricos de pacientes internados.

Ele consegue analisar e entender as áreas operacionais e dados de um hospital ou qualquer outra organização. Com isso, sabe a melhor forma de auxiliar os profissionais, com o gerenciamento de processos, tarefas e projetos. Dessa maneira, reduz os erros operacionais e até proporciona economia de recursos.

O software foi projetado para ajudar as equipes na identificação mais rápida dos casos de sepse, permitindo um atendimento mais ágil, evitando o agravamento da doença e morte de pacientes.

Como ele faz isso? Conectando-se remotamente aos equipamentos e sistemas utilizados pelo hospital. Assim, processa as informações dos pacientes e pode identificar situações de risco.

Caso identifique alguma alteração grave, ele emite faz um alerta nos monitores espalhados pelo hospital. Caso o paciente não receba atendimento, o robô encaminha mensagens por SMS e e-mails para equipes específicas. Se ainda não for atendido, procura a coordenação e direção do hospital.

Quais suas principais funções e especialidades?

O robô Laura pode facilitar a rotina dos hospitais, pois apresenta diversas funcionalidades. Acompanhe abaixo.

Sepsis

O software faz o monitoramento em tempo real dos dados vitais dos pacientes com o objetivo de identificar precocemente a sepse. A tecnologia cognitiva consegue agilizar processos para o tratamento e mediação da doença.

Compliance

Realiza o monitoramento de processos e atividades de uma organização, com o intuito de identificar falhas operacionais. Trabalha com geração de alertas, caso as tarefas não estejam em conformidade com as boas práticas.

Epidemology

O robô monitora exames laboratoriais, auxiliando assim o trabalho da Vigilância Epidemiológica, com a identificação de surtos e epidemias em tempo real.

Blood

O software faz o monitoramento de bancos de sangue, possibilitando a criação de campanhas de doação visando atingir doadores de um tipo sanguíneo específico. Prevê ainda o perfil de risco para procedimentos cirúrgicos, detectando, por exemplo, a necessidade de transfusão.

Medicine

Faz o monitoramento do comportamento das bactérias nos ambientes hospitalares com intuito de fornecer um perfil de multirresistência. Realiza ainda o monitoramento de prescrições médicas, alertando quanto ao uso inadequado de antibióticos e controlando a ingestão em pacientes críticos.

Saving

O robô monitora os recursos das instituições e, se houver mau uso, pode fornecer uma visão estratégica de custos.

Quais benefícios o robô pode proporcionar ao hospital?

A inovação tecnológica desenvolvida por Fressato pode trazer vários benefícios ao ambiente hospitalar. Confira.

Otimização de processos

O robô Laura analisa o fluxo de informações e dados já cadastrados dos pacientes, agilizando o trabalho dos profissionais de saúde. Com isso, consegue identificar falhas nas rotinas hospitalares, permitindo que a gestão aperfeiçoe processos ou treine as equipes.

Redução de custos

O software trabalha no monitoramento do uso dos recursos do hospital, identificando erros. Assim, a administração consegue agir, garantindo a sustentabilidade financeira da instituição.

Melhor atendimento ao paciente

O paciente é monitorado de forma constante pelo robô. Desse modo, caso ele identifique sinais de alerta, como mudança de temperatura ou nos parâmetros sanguíneos, consegue avisar as equipes, que podem agir de modo mais rápido. No caso da sepse, esse alerta pode evitar sua evolução e consequentemente o óbito do paciente.

No projeto piloto realizado no Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba, o robô percebeu os sintomas da infecção generalizada em um paciente, o que evitou o agravamento do caso.

O Brasil está fazendo história nas inovações na área da saúde. O robô Laura já é uma realidade e pode transformar a rotina dos hospitais, melhorar o atendimento e salvar vidas.

Gostou das informações que trouxemos neste post? Entenda também qual é o papel da tecnologia na revolução da saúde 4.0!

Powered by Rock Convert
Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-