EPIs em hospitais: veja 4 exemplos que não podem faltar

EPIs em hospitais: veja 4 exemplos que não podem faltar
6 minutos para ler
MedicalwayPowered by Rock Convert

EPIs em hospitais: veja 4 exemplos que não podem faltar. Em contextos desafiadores como o que vivemos, o uso de EPIs em hospitais se torna ainda mais importante. Afinal, os profissionais que estão de frente na luta contra o coronavírus precisam adotar medidas de proteção mais rígidas do que estavam acostumados — o que inclui entender o uso e a importância de cada um dos Equipamentos de Proteção Individual.

Pensando nisso, neste conteúdo veremos quais são os que não podem faltar na gestão de uma instituição em um momento como esse, além de explicarmos como eles contribuirão para a proteção dos seus profissionais. Continue lendo para conferir!

Quais são os principais EPIs em hospitais, veja 4 exemplos que não podem faltara serem utilizados em hospitais

Em primeiro lugar, vamos entender quais são os principais Equipamentos de Proteção Individual a serem utilizados pelos profissionais de um hospital.

1. Luvas

As luvas são EPIs muito utilizados para evitar acidentes comuns no dia a dia do trabalho dos mais diversos profissionais de saúde. Seu principal objetivo é proteger as mãos desses trabalhadores, seja de cortes, seja de altas temperaturas ou mesmo de umidade excessiva.

No caso da COVID-19, como já sabemos, as principais formas de contágio se dão pelo contato direto com uma pessoa contaminada ou com superfícies que foram tocadas por essas pessoas. Logo, é fundamental que os profissionais de saúde estejam atentos ao manuseio de objetos rotineiros, além de higienizar sempre suas luvas e mãos, mesmo com o uso do EPI.

Vale dizer, aliás, que os colaboradores da área de saúde não se restringem aqui apenas aos médicos e enfermeiros. Profissionais da área de limpeza também devem ser orientados sobre essas precauções, e a instituição precisa oferecer materiais de látex (maleáveis e confortáveis) para os seus afazeres diários.

2. Óculos de proteção

Como o contato do vírus com os olhos é outra forma importante de contágio da doença, o uso de óculos é essencial. Normalmente, as lentes utilizadas pelos profissionais de saúde são incolores e feitas de materiais propícios para não prejudicar a visão, especialmente em ambientes mais claros. Mas, então, como escolher o produto mais adequado para a sua clínica?

Inicialmente, é preciso que o apoio nasal seja confortável e que as hastes sejam mais maleáveis. Além disso, o ideal é escolher um equipamento que conte com espuma, para evitar a entrada de partículas na região protegida dos olhos.

Quanto ao seu acabamento, a principal preocupação por parte da equipe é que ele seja antiembaçante. Afinal, de nada adianta contar com um produto preventivo se o profissional precisará fazer a sua limpeza a todo momento para conseguir enxergar sem dificuldade, certo?

3. Avental

O avental de PVC é muito utilizado por pessoas que trabalham diretamente em pesquisas com agentes corrosivos ou químicos, que oferecem algum dano à sua integridade física. No entanto, no caso de profissionais da saúde que estão nessa linha frente do COVID-19, o EPI tem a função de proteger o usuário e as suas vestimentas, diminuindo a probabilidade de serem contaminados com vestígios do vírus.

O avental contribui para que respingos e secreções não o atinjam, aumentando até a confiança de quem está atuando diretamente com pessoas infectadas. Atualmente, existem modelos de tamanho ajustável, tornando esse EPI ainda mais seguro para o usuário.

4. Máscara cirúrgica

De fato, a máscara já entrou na rotina de todos os brasileiros, seja qual for a sua área de atuação. Isso porque, com todos os indivíduos usando esse EPI, a probabilidade de contração da doença diminui consideravelmente. Ainda assim, existem alguns cuidados específicos que precisam ser tomados em hospitais e clínicas de saúde.

Como se trata de uma área de mais risco e exposição, é fundamental buscar os materiais de maior qualidade do mercado. Além disso, os profissionais devem ser orientados a trocar suas máscaras com frequência — sempre que atenderem um paciente — e elas devem ser descartadas de forma segura, conforme pede o protocolo das autoridades de saúde.

Quais cuidados tomar com os EPIs em hospitais?

Agora que já vimos os Equipamentos de Proteção Individual que não podem faltar numa instituição de saúde, chegou o momento de apresentarmos algumas dicas sobre os cuidados necessários com esses itens. Confira!

O momento de colocar e retirar os EPIs

Antes de qualquer procedimento, é preciso higienizar as mãos com água e sabão ou álcool 70, de acordo com as recomendações da ANVISA e da OMS. Após essa etapa, deve-se colocar a máscara cirúrgica, de modo que ela fique bem adequada ao rosto e o proteja de forma correta.

O próximo passo é colocar os óculos — lembrando que objetos comuns utilizados no dia a dia não o protegem contra o Sars-Cov-2. A touca deve ser colocada protegendo a orelha como um todo, bem como a parte do óculos que será tocada no momento em que se for retirar o equipamento. Por fim, é preciso vestir o avental impermeável e descartável, ajustando-o de forma adequada ao corpo.

Para retirar, o primeiro passo é tirar as luvas a partir da região que não teve muito contato com o ambiente. Depois, higienize as mãos para evitar a transmissão e remova todos os itens, dispondo-os em sacolas vermelhas. Repita o procedimento com os demais EPIs que estiver utilizando.

Os demais cuidados a serem destacados

De acordo com o Ministério da Saúde, há ainda outros cuidados que devem ser levados em consideração pelo profissional de saúde. Entre eles:

  • treinar toda a equipe para identificar sintomas logo na triagem;
  • deixar o paciente sob suspeita em uma sala isolada durante a espera do atendimento;
  • orientar todos os pacientes sobre as medidas básicas de higiene;
  • selecionar alertas visuais sobre a doença e dispô-los nos mais diversos locais da instituição;
  • seguir as principais recomendações padrão;
  • desinfectar todos os ambientes;
  • direcionar adequadamente os pacientes para evitar trânsito desnecessário nos corredores.

Enfim, vimos aqui quais são os principais EPIs em hospitais, além de algumas dicas sobre como deve ser a atuação dos profissionais em um contexto desafiador como o atual. Além de tudo o que foi apresentado, vale ressaltar a necessidade de buscar bons fornecedores, que garantam a qualidade de seus produtos e ofereçam apenas materiais com Certificado de Aprovação.

Gostou desta leitura? Então, que tal aproveitar a visita para ler também um pouco sobre a manutenção preventiva de equipamentos médicos?

Medicalway - Entre em contato!Powered by Rock Convert
Você também pode gostar

Um comentário em “EPIs em hospitais: veja 4 exemplos que não podem faltar

Deixe uma resposta

-